O envelhecimento da populacao brasileira a nova transicao demografica

Rate this post

Na posição dos maiores países do planeta, o Brasil ocupa a 5ª posição com 8,5 milhões de quilômetros quadrados; é precedido pela Confira Rússia (17 milhões), Canadá (10), China (9,6) e EUA (9,4).

Apenas nos Estados Unidos (país mais rico) a fecundidade permaneceu, aproximadamente no grau substitutivo (2,0 em 2007); os vários outros países estão claramente abaixo dela: Brasil (1,9 ), China (1,7 ), Canadá (1,5 ) e Rússia (1,3 ).

Nações gigantescas: os Estados Unidos retiram o documento de fertilidade do Brasil

  1. Se nas espécies animais há uma grande ligação entre espaço oferecido e reprodutividade, definitivamente não é o caso da espécie humana.
  2. A densidade humana é mais acessível no Canadá (3 ocupantes por quilômetro quadrado), atendida pela Rússia (8 ), Brasil (22 ), EUA (32 ) e China (140 ): além da China, são espessuras pequenas, se contraste, por exemplo, com a italiana, de quase 200 habitantes/km2.
  3. Além de, mais uma vez, constantemente sem levar em conta a China, amplamente habitada há milênios, os vários outros 4 países significativos têm historicamente apoiado a população de grandes áreas e a abertura à migração.

O Brasil preferiu e promoveu a imigração até a década de 1920 e ainda na década de 1970 prevalecia a opinião de que o crescimento populacional era um elemento essencial para o desenvolvimento produzido internamente e não dependente dos mercados internacionais e das exportações.

Em 1974 – programa totalmente militar – foi líder daqueles países em desenvolvimento que, no Seminário sobre População (Bucareste), divulgado pelas Nações Unidas, diziam que as políticas de crescimento não deveriam basear-se em políticas de controle de natalidade, esta emissão (bem como como não a razão) do desenvolvimento econômico e do avanço como um todo.

No entanto, isso é história: nas últimas duas décadas, os problemas de bem-estar reprodutivo e também a preparação para o parto deixaram de ser assuntos de discussão teórica e levaram a planos ativos sustentados pelo campo pessoal e público.

  • A queda no preço de nascimento foi realmente mais rápida do que o esperado e também estão surgindo preocupações sobre a sustentabilidade da queda deve continuar, possivelmente acelerando o ritmo.
  • Especificamente, há temores de que o envelhecimento possa pesar em um sistema previdenciário estressado.

Isso pode parecer paradoxal, se levarmos em consideração que o percentual de maiores de 60 anos é, hoje, no Brasil, igual a apenas 10,5% contra 25% na Itália: no entanto, a experiência revela que nunca é prematuro planejar ajustes lentos na demografia .

As modalidades não europeias da diminuição dos nascimentos

A diminuição dos nascimentos – que caiu de 4 milhões em 1984 (quando o Brasil tinha 130 milhões de habitantes) para pouco mais de 3 milhões em 2008 (com uma população de 190 milhões) – aconteceu por métodos diferentes daqueles que identificaram a diminuição. na Europa.

O Brasil difere da Europa pelo fato de quase todos os participantes de qualquer geração terem uma união estável (ou relação conjugal) ao longo de seu ciclo reprodutivo, com a consequência de que a porcentagem de mulheres que continuam sem filhos é bastante reduzida.

  1. As modalidades não europeias da diminuição dos nascimentosUma diferença adicional prende-se com o facto de a diminuição da fecundidade não ter ocorrido em consonância com o aumento da idade à primeira união e o nascimento do primeiro filho, que se manteve muito precoce.
  2. A 3ª peculiaridade brasileira está nas abordagens da contracepção, bem como na preeminência que a esterilização tem tido sobre os demais métodos contraceptivos.

Por fim, ao contrário dos países europeus que, internamente (assim como em qualquer caso seu território é separado – mesmo em áreas, áreas ou distritos), apresentam hábitos reprodutivos uniformes, no Brasil as diferenças geográficas são muito maiores, contando com a forte vazios econômicos que existem – especialmente entre as áreas do Norte e do Nordeste e do Sul.

Leave a Comment